Nos meses de Outubro e Novembro o estúdio do Atelier Real acolhe o projeto artístico “Árida”, de Maria Ramos.

Circulação – Depois da estreia em Torres Vedras e das apresentações no Centro Cultural de Belém e Festival Dias da Dança, no Porto, vamos agora apresentar no Teatro Municipal de Portimão, no contexto do Festival Entrelaçados, a 4 Nov 2017.

Sinopse – Árida interroga o próprio conceito de corpo e de espaço, explorando as suas possibilidades, testando os seus limites, questionando a sua definição. Em que pensamos, quando pensamos em corpo? E em espaço? Como esperamos que o corpo se manifeste? E o espaço? Como concebemos a relação entre ambos? Só será possível coreografar ‘ o corpo’ ? E poderá o espaço tornar-se tangível? Árida prolonga a colaboração entre Maria Ramos e a designer de luz Vinny Jones, na continuidade de Something Still Uncaptured. Se aí partiam das ideias de contenção e adensamento do espaço, chamando-lhe ‘ paisagem-em-ação’ , neste trabalho desenvolvem essa mesma noção, mas explorando as ideias de aridez, de vastidão e de expansão do espaço cénico.

Bio – Maria Ramos (Oeiras/Lagos). Entre 1996 e 2009, viveu na Holanda onde estudou e desenvolveu a sua carreira profissional enquanto bailarina, tendo trabalhado com vários coreógrafos na Holanda, Alemanha, Grã Bretanha e EUA, entre os quais se destaca Angus Balbernie. É licenciada em Dança e Mestre em Coreografia pelo ArtEZ – Instituto das Artes, de Arnhem, na Holanda. Em Lisboa, fez o curso de cinco meses de Pesquisa e Criação do Forum Dança, no contexto do qual criou o primeiro trabalho da trilogia Um Certo Grau de Imobilidade, ciclo de trabalhos do qual fazem parte as peças: 7pm/RumourNerves Like Nylon e Something Still Uncaptured, apresentadas na Holanda, Portugal e Argentina.

 

Créditos
Direção Artística e Coreografia: Maria Ramos 
Desenho de Luz e Espaço Cénico: Vinny Jones 
Desenho de Som: Francisco Salgado 
Interpretação: Marta Cerqueira 
Performer: Nuno Paixão 
Direção Técnica: Mário Bessa / Tasso Adamapoulos
Acompanhamento Artístico: Martinho R. Fernandes
Coprodução: Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural de Belém e Teatro Cine Torres Vedras
Produção Delegada: Antunes Fidalgo Unipessoal
Residências Artísticas: Festival Materiais Diversos; Teatro Campo Alegre; EIRA –produção e realização de espectáculos; Companhia Olga Roriz 

Apoio Regular à Pesquisa Coreográfica: Forum Dança 
Espaço de Ensaio: Atelier Real; ACCCA; CRIA-ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa 
Apoio à Divulgação: Embaixada do Reino dos Países Baixos em Lisboa; Embaixada da Austrália em Lisboa, CRIA – festival Olhares do Mediterrâneo
Projecto financiado pela República Portuguesa – Cultura/Direcção Geral das Artes